147. Publicação Bentes premiada no exterior

September 5, 2020

A revista de setembro da International Banknote Society Journal, publicada em 20 de setembro de 2017, deu aos numismatas brasileiros, e ao nosso país de origem, um motivo a mais para se orgulharem. De fato, o anúncio oficial do 3° colocado do prestigioso Prêmio IBNS "BOOK OF THE YEAR", entre mais de 68 países, o LIVRO DO PAPEL MOEDA DO BRASIL da MBA Edizioni Numismatiche, empresa do Grupo Bentes, além da imensa satisfação para todos nós, é mais um passo na escalada da numismática brasileira em direção ao cenário internacional.

 

Leia mais

Peste negra (ou morte negra) é o nome pela qual ficou conhecida uma das mais devastadoras pandemias na história humana, resultando na morte de 75 a 200 milhões de pessoas na Eurásia. Somente no continente europeu, estima-se que tenha vitimado pelo menos 1/3 da população, durante o período considerado o auge da peste, entre os anos de 1346 e 1353. A doença é causada pela bactéria Yersinia Pestis, transmitida ao ser humano através das pulgas dos ratos pretos ou através de outros roedores. Nessa época os brasileiros se resumiam às populações indígenas que habitavam a região. Acredita-se que a peste...

Leia mais

145. Conde de Óbidos

January 30, 2020

A varonia desta Casa é de Mascarenhas, a mesma escrita na casa de Gouveia, por ser D. Vasco Mascarenhas irmão de D. João Mascarenhas, 2º Conde de Santa Gruz, e filho quarto de D. Fernão Martins Mascarenhas, Senhor de Lavre, e Estepa, Comendador de Mértola, e de sua mulher Dona Maria de Lencastre, filha de D. Diniz de Lencastre.

D. Vasco Mascarenhas, 1º Conde de Óbidos, serviu em Flandes, foi Governador, e Capitão General do Reino do Algarve, e Governador das Armas na Província de Alentejo, Vice-Rei da Índia, e depois do Estado do Brasil, Estribeiro Mor da Rainha Dona Maria Francisca de Saboia...

Leia mais

O aparecimento da moeda e dos bancos no Rio de Janeiro foi conseqüência da posição geográfica e da importância econômica e política da região. É uma cidade litorânea onde o porto foi estratégico na formação de um mercado interno, indispensável para a monetização da economia e para o surgimento de bancos. Do grande comércio exportador, emergiram as elites responsáveis pelo crédito que passou das mãos de prestamistas individuais para o controle de bancos comerciais.

A vinda do Estado Português para o Brasil, em 1808, foi decisiva para consolidar a importância política, econômica e cultural da região... 

Leia mais

Ao longo da segunda metade do século XVII, os problemas decorrentes da falta de moeda metálica no Brasil foram sentidos de maneira crescente. A percepção geral, tanto na Metrópole como na Colônia, era de que a escassez de numerário prejudicava a atividade econômica e, portanto, contribuía para reduzir a arrecadação de impostos. A colônia convivia também com outros problemas relacionados à moeda metálica, tais como as manipulações monetárias realizadas a partir da década de 1640 em Portugal, e as práticas de cerceio e falsificação de moeda. A Lei de Cunhagem de 4 de agosto de 1688...

Leia mais

As formas de se ganhar dinheiro, editando catálogos de produtos, são várias. A mais simples e lógica, que não fere a ética comercial, é valorar os artigos em base aos preços praticados, e seguindo as tendências do mercado, naturalmente. Por esse motivo, algumas empresas deixam bem claro que, seguindo príncípios de ética e transparência, não comercializam os produtos que relacionam, com preços, em seus catálogos, num determinado país. E isso tem uma lógica simples: Se você comercializa, por exemplo, diversos ítens de coleção como moedas e cédulas, ao editar catálogos desses ítens, pode, ao seu bel prazer, manipular os preços...

Leia mais

É sabido no meio numismático (e isso não é novidade para os que já se encontram no ramo há muito tempo) que algumas pequenas máfias, formadas ao longo dos tempos entre as poucas sociedade que ainda sobrevivem aso trancos e barrancos, tentam tirar o máximo proveito da ingenuidade de quem está iniciando no colecionismo de moedas, cédulas e selos, tratando a compra/venda desses artigos de coleção, com uma voracidade assustadora. Não medem as consequências de sua execrável conduta argentária, e colocam de lado escrúpulo, decência, ética e bom senso, ao extorquirem pessoas que procuram seus estabelecimentos, munidos de sua boa fé. 

Leia mais

Vlad III (diminutivo di Vladislav), mais conhecido como Vlad Dracula, viveu de 1431 a 1476. Descendia da estirpe dos Bessarabes, dinastia fundada por Bessarab I, no século XIV, o principado de Valaquia na atual Romênia. Seu pai, o príncipe (voivoda) Vlad II, era conhecido como Dracul, o Dragão (de “Drac” e “ul” sufixo composto que exerce a função de artigo determinativo) enquanto pertenceu à Ordem de Cavalaria dos Dragões. De consequência, Vlad III foi conominado Drácula ou Draculea ou seja, “o pequeno Dragão” . Vlad III viveu em um complicado momento histórico, em uma região entre o Império Otomano e o Sacro Romano Império, vítiam das conspirações e intrigas dos senhores locais (boiardes), reinando em 1448...

Leia mais

Mesmo que alguns autores tenham concluído que o contato habitual com numerários, no trabalho e no atendimento ao público externo, não aumentem significativamente o risco relativo de contaminação por agentes patógenos causadores de doenças infectocontagiosas incapacitantes para o trabalho de origem gastrointestinal, respiratória ou oftalmológica, é óbvio que a sensação é bastante desagradável ao imagniar que aquela nota ou moeda em nosso poder, foi manuseada por alguém que não lavou as mãos depois de uma crise de diarréia. 

Leia mais

Robert Scot, primeiro gravador oficial da jovem Casa da Moeda dos Estados Unidos, deu início a companhia que iria no fim crescer e se transformar na maior firma de gravuras de segurança e impressão, a American Bank Note Company.

Fundada em 1795 como Murray, Draper, Fairham & Company (de acordo com os três sócios de Scot), a companhia prosperou conforme a população dos Estados Unidos cresciam e instituições financeiras surgiam. Seus produtos incluiam certificados de apólices e ações de qualidade superior, moeda fiduciária para os milhares de bancos patrocinados pelo governo que existiam na nação, selos (de 1879 a 1894), e uma grande variedade de outros itens gravados e impressos.

Leia mais

Nos Arredores de Leeds, no norte da Inglaterra, existe um grande edifício de tijolos que é guardado tão rigorosamente como qualquer instalação nuclear ou de teleguiados. Nenhuma pessoa ou embrulho entra ou sai dali sem meticuloso exame. Há guardas por toda a parte. Caminhões que parecem veículos comerciais comuns saem periodicamente dos seus portões. Não há blindagem nem guardas armados nos caminhões. Mas cada um deles raramente fica longe das vistas dos carros de polícia que também não chamam a atenção e que patrulham o seu caminho. 

Leia mais

Olímpia, juntamente com Atenas e Esparta, são as cidades mais famosas da antiga Grécia. Mas se Atenas e Esparta são famosas por haverem combatido até se destruírem mutuamente durante a guerra do Peloponeso, Olímpia resplandece como símbolo de irmandade e de paz duradoura. 

Para a numismática, Olímpia assume uma importância ainda maior pelo grande número de belíssimas moedas cunhadas, enquanto Atenas produziu exemplares de pouca expressão artística e configuração "monótona", além da severa Esparta que, por não querer ceder aos caprichos da corrupção do dinheiro, não cunhou moedas nesse período, fabricando-as em época tardia. 

Leia mais

A obra conta a história de Antígona, filha de Édipo, e irmã de Etéocles e Polinice, que decide dar sepultura digna ao irmão morto (Polinice), contra a vontade do novo rei de Tebas, Creonte que, ao descobrir sua intenção, condena Antígona a viver emprisionada em uma em uma gruta, pelo resto de sua vida. Seguidamente, e de acordo com o que havia previsto Tirésias, o profeta cego de Tebas, após as súplicas dos defensores de Antígona, Creonte decide liberá-la, o que de nada adiantou, haja vista o suicídio cometido por Antígona que se enforcou por não suportar sua dor e humilhação. 

Leia mais

Artista poliédrico e multifacetado, Bernini é considerado o maior protagonista da arte figurativa barroca. Durante toda a sua extraordinária carreira, seu trabalho inspirou tanto a artistas quanto a arquitetos,  dominando o cenário europeu por mais de um século após sua morte. Escultor, arquiteto, pintor, cenógrafo, comediógrafo e desenhista, Bernini desenvolveu a sua brilhante carreira artística em Roma, onde era conhecido como o arquiteto de “San Pietro”. Sua obra foi marcada por uma multidisciplinaridade brilhante e insuperável, desenvolvendo-se plenamente nas três grandes manifestações das artes (arquitetura, escultura e pintura).....

Leia mais

 

Presume-se que há pelo menos 35 mil anos, instrumentos de caça e pesca, e mesmo as rudimentares armas de guerra, deviam se prestar a objetos de troca, possuindo um “preço” estabelecido através de uma prática comercial que, apesar de primitiva aos nossos olhos, era eficaz para a sobrevivência dos grupos humanos que vagavam pelo planeta. O desenvolvimento da pecuária e da agricultura acabou por relegar as atividades de caça e pesca a uma função secundária; dessa forma outros bens passaram a regular as atividades de troca.

Leia mais

Desde que surgiu o interesse pela história da civilização egípcia, fomos atraídos pela sua arquitetura, pelos seus rituais religiosos, as pirâmides de Gizé, a enigmática Esfinge, como conseguiam carregar enormes blocos de pedra megalíticos através do deserto, e acima de tudo como é que criaram algumas das obras mais fascinantes da arte, o que é evidente em numerosos templos, com corredores e câmaras que ostentam magníficos afrescos e hieroglifos dificilmente realizados com luz de velas. Desperta curiosidade e surpresa ao tentar entender como os antigos egípcios conseguiram alcançar tamanha perfeição artística e uma particular técnica...

Leia mais

Durante décadas o catálogo de referência das cédulas brasileiras e do mundo, tem sido o Standard Catalog of World Paper Money, também conhecido como “Pick” (sobrenome do autor). É citado como referência em catálogos e artigos de notafilia e “seguido”, por assim dizer, como sendo fonte fidedígna de informação. Durante muitos anos, os autores de catálogos e textos copiaram as informações do PICK, sem questionar se eram corretas. Por exemplo, as estampas de diversas cédulas de Réis, fabricadas no exterior, principalmente as de Bancos particulares, foram atribuídas por Pick, equivocadamente ...

Leia mais

Clovito nasceu em 1949, na cidade de Alto Araguaia. Manifestou vocação para o desenho muito cedo. Ainda ginasiano, em sua cidade natal, obteve o prêmio em concurso de alunos, com “Retrato de Cristo” (1963). 

Leia mais

Muitos dos seus desenhos e telas retratam Salford e a área circunvizinha, entre elas Pendlebury, onde viveu e trabalhou por mais de 40 anos. As suas obras, aliás, tornaram-se famosas por representarem vulgarmente sublimes paisagens industriais e o movimento frenético das cidades inglesas no início do século. 

Leia mais

January 15, 2019

Já demonstramos, em outras ocasiões, que Kurt Prober errou em suas afirmações e agora, ao que tudo indica, aí vem mais uma. Fazemos isso não para demonstrar que o grande numismata errou, mas para alertar que não se pode dar crédito, cegamente, a tudo que lemos, simplesmente porque foi escrito por alguém que é (ou foi), considerado uma sumidade em determinado assunto, alguém que sobressai (ou sobressaiu) entre os do seu círculo, pelo saber.

Leia mais

1/8

Please reload

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now